Decorador leva a vida cercado por cores

15 de Junho de 2015

"Vivo rodeado por tudo que me representa e me traz boas lembranças, acho imprescindível estar próximo das coisas amadas. Como a mistura de cores é característica forte do meu trabalho, não poderia deixar de aparecer como ponto alto também na minha casa. Nela, pude inclusive ousar um pouco mais”, revela o decorador mineiro Marcelo Árabe, sobre seu endereço, em Uberaba. 

Ele já vivia ali ao lado da esposa, mas há tempos sonhava em repaginar a área de 220 m². O objetivo? Adequar o layout ao estilo de vida dos dois, com atenção a duas questões essenciais: ter espaços generosos, ideias para receber visitas e acomodar suas coleções de objetos.

“Não é uma morada pequena, nem imensa, mas a circulação ficou muito boa e temos áreas suficientes para receber. Eu adoro isso: montar a mesa, convidar meus filhos e netos para passar o dia aqui.”, revela o decorador. O ponto de partida para a decoração foram os ietns do seu acervo, dispostos de forma a adicionar ainda mais vida aos ambientes revestidos por tons vibrantes da residência térrea.

O caminho fluido pelo setor social revela surpresas, como as gravuras modernistas, dispostas na parede verde de uma das salas. “Elas estiveram na 1ª exposição de gravura moderna brasileira, que aconteceu no Rio de Janeiro. Na hora de criar a ambientação, escolhi o fundo verde escuro para destacar a moldura dourada das obras.”, conta. Os quadros aparecem ao lado das poltronas no estilo Luis XVI, do aparador de antiquário e do aplique de metal e madeira italiano dos anos 1930, usado como suporte de velas e flores (na foto abaixo).

O local mais arejado é a sala na configuração de jardim de inverno, que revela diferentes estampas e cores marcantes. Apoiado na parede rosa, o aparador, trazido de Tiradentes, recebe objetos instigantes: dois garden seat turquesa - trazidos da área externa para funcionar como extensão dos vasos, no interior. As duas cadeiras sírias, que ladeiam o aparador e o pufe com revestimento adamascado, fazem reverência à ascendência árabe do morador. “A casa tem uma pegada étnica que eu adoro, voltada pro oriental. Também considero a atmosfera tropicalista - não em razão do uso de elementos artesanais, mas sim por conta das cores”.

Além da paleta multitonal e do mix de texturas, o espaçoso living revela uma ideia criativo: o uso de um biombo de madeira, da República das Flores, para enfeitar a parede. Além dele, brilham no espaço almofadas de vários diferentes tecidos, o tapete, da Square Foot, e o pufe em ´X´, da Oficina Inglesa, e a poltrona de couro vermelha, que veio de um antigo cassino do Uruguai.

Na sala de jantar, posicionada entre o living e o jardim, a mesa é emoldurada por fotos da atriz Marilyn Monroe, um quadro da artista brasileira Pinky Wainer, tecidos de seda usados como cortina e uma luminária de cristal de antiquário. “Neste local, pensei uma decoração com um toque de humor”, conclui o morador e projetista.

ASSUNTOS RELACIONADOS